81.1 Prodígios manifestos anunciaram a César sua morte próxima. (…)
5 Enquanto sacrificava, o arúspice Espurina advertiu-o de que “se prevenisse contra um perigo que não iria além dos Idos de março”.
6 Na véspera destes mesmos Idos, pássaros de diferentes espécies, vindos de um bosque vizinho, perseguiram um picanço, que, trazendo um ramo de loureiro, voava para a Cúria de Pompeu, e ali mesmo o despedacaram.
7 Na noite anterior ao dia do assassínio, pareceu-lhe, durante o sono, que ora voava acima das nuvens, ora apertava a mão a Júpiter; também Calpúrnia, sua esposa, sonhou que a cumeeira da casa desabava e que, entre seus braços, o marido era trespassado de golpes; depois, subitamente, a porta do quarto de dormir se abriu sozinha.
8 Por tudo isto e ainda por causa da saúde abalada, hesitou por muito tempo sobre se devia ficar em casa e adiar o que propusera tratar no Senado. Por fim, a instâncias de Décimo Bruto para que não decepcionasse os [senadores] que em grande número e há muito o esperavam, saiu pela quinta hora; à sua passagem, alguém lhe estendeu um bilhete que denunciava a conjura; ele o misturou com outros que segurava na mão esquerda, como para lê-lo mais tarde.
9 Em seguida, após sacrificar diversas vítimas, sem obter presságios favoráveis, entrou na Cúria desdenhoso dessas práticas religiosas e zombando de Espurina, a quem acusou de mentiroso por terem chegado os Idos de março sem lhe trazerem qualquer malefício, ao que este respondeu que efetivamente tinham chegado mas não passado.

82.1 Sentado, os conspiradores o cercaram, a pretexto de homenageá-lo, e logo Tílio Címber, que assumira o papel principal, aproximou-se mais, como para lhe pedir um favor e, enquanto ele negava e com um gesto adiava o pedido para outra ocasião, agarrou-lhe a toga pelos ombros. Em seguida, quando ele gritava “Agora então é a violência!”, um dos dois Cascas o atacou por trás, um pouco abaixo do pescoço.
2 César, agarrando o braço de Casca, atravessou-o com seu ponteiro e, tentando escapar, foi detido por outro golpe. Ao perceber que de toda parte punhais sacados o buscavam, enrolou a cabeça com a toga, enquanto com a mão esquerda puxou a prega até os pés, para cair mais decentemente, com à parte inferior do corpo coberta.
3 E foi traspassado por vinte e três cutiladas, com um único gemido ao primeiro ataque, sem uma palavra, embora tenham relatado alguns que ele dissera, quando Marco Brutus se precipitava sobre ele: “Até tu, filho?”.

Autor: Suetônio
Obra: Vida dos Césares
Trecho: Livro I, capítulos 81-82
Tradução: João Pedro Mendes
In: Historiadores latinos, Martins Fontes, 1999.

* O texto aqui reproduzido constitui uma expressão cultural da Antiguidade latina e foi selecionado como amostra exclusivamente para fins de pesquisa. Seu conteúdo não reflete a opinião do professor responsável pela postagem.

Categoria: Historiografia latina , Textos latinos

Tags: