2.1 Com efeito, como os seres humanos se compõem de corpo e alma, do mesmo modo todas as nossas atividades e propensões seguem, umas a natureza do corpo, outras a do espírito.
2 Assim, pois, um rosto formoso, as imensas riquezas e, somados a isso, o vigor físico e todas as outras coisas do gênero em pouco tempo se esvaem; as obras admiráveis do talento são, porém, como a alma, imortais. (…)
4 Por isso não pouco espanto deve causar a depravação daqueles que, entregues aos prazeres do corpo, levam a vida em libertinagem e ociosidade, deixando entorpecer-se, na ignorância e na apatia, a inteligência, o que de melhor e mais sublime existe na natureza humana, mormente quando são tão numerosas e variadas as atividades do espírito pelas quais se obtém a mais subida glória.

3.1 Dentre elas, todavia, as que me parecem de nenhuma forma desejáveis nesta época são as magistraturas e os comandos militares, numa palavra, toda atividade política, porquanto já não se rendem honras ao mérito nem aqueles que fraudulentamente as obtiveram se encontram por isso em segurança ou mais honrados.
2 De fato, ainda que pela força se possa governar a Pátria e à família e se corrijam os abusos, isso não é aconselhável, máxime porque todas as revoluções prenunciam a matança, o exílio e outras violências. (…)

4.1 Entre as diversas ocupações exercidas pelo espírito, tem, em primeiro lugar, enorme utilidade a evocação dos notáveis feitos passados.
2 Como muitos já falaram da importância disso, creio que se deva pôr de lado, não vá alguém achar que eu, a um tempo, por vaidade enalteço com louvores o objeto de meu estudo.
3 Acredito mesmo que haverá quem, por ter eu me decidido a levar a vida longe da política, venha a impingir ao meu trabalho de tanta importância e tão útil o nome de ociosidade, serão, sem dúvida, aqueles que vêem como a melhor das atividades adular a plebe e angariar com banquetes o seu favor.
4 Esses, se considerarem, por um lado, quantos homens de valor não conseguiram, na época em que conquistei magistraturas, alcançar a mesma coisa, e considerarem, por outro lado, que tipos de homens chegaram, depois, ao Senado, hão de convencer-se certamente de que mais por uma boa razão do que por indolência mudei meu modo de pensar e de que advirá à República maior benefício do meu ócio que das atividades de muita gente.

Autor: Salústio
Obra: A guerra de Jugurta
Trecho: Capítulos 2-4
Tradução: Ariovaldo Augusto Peterlini
In: Historiadores latinos, Martins Fontes, 1999.

* O texto aqui reproduzido constitui uma expressão cultural da Antiguidade latina e foi selecionado como amostra exclusivamente para fins de pesquisa. Seu conteúdo não reflete a opinião do professor responsável pela postagem.

Categoria: Historiografia latina , Textos latinos

Tags: